Simpósio “Autismo no Ciclo da Vida” reúne 300 pessoas  

1

Mais de 300 pessoas participaram do evento

A segunda campanha educativa sobre Transtorno do Espectro Autista (TEA) nesta sexta (28/04) com o simpósio “Autismo no Ciclo da Vida”, que reuniu 300 pessoas no centro de convenções da Acirp. O evento contou com palestras e mesas redondas destinadas a profissionais da saúde, acadêmicos e comunidade.

Iniciada no Dia Mundial de Conscientização do Autismo, 2 de abril, a Campanha alcançou cerca de duas mil pessoas, com workshops, palestras e caravanas acadêmicas de capacitação para estudantes e professores da Faceres, Unilago, Unirp, Unip e Famerp.

“A caravana acadêmica foi uma ideia muito positiva que deve continuar nos próximos anos, pois fomos bem acolhidos pelas Faculdades e conseguimos capacitar cerca de 1.600 pessoas”, afirmou a psiquiatra e organizadora da Campanha, Simone Secco.

A campanha é uma iniciativa da Secretaria de Saúde de Rio Preto em parceria com o Conselho Municipal de Saúde (CMS). “O balanço é muito positivo. Nosso objetivo é alcançar o maior número de pessoas para disseminar informações sobre diagnóstico e tratamento do autismo”, completou.

É o segundo ano consecutivo que a secretaria organiza a campanha. “Temos recebido crianças mais novas nos serviços de saúde do município. Os pediatras estão mais atentos e fazendo o diagnóstico mais cedo”, disse.

Nos meses de maio e junho, os pediatras e enfermeiros da Atenção Básica e Atenção Especializada da Secretaria Municipal de Saúde continuam recebendo capacitação sobre autismo no CAESM e Distritos de Saúde.

 

Atenção ao autismo em Rio Preto

São José do Rio Preto foi a primeira cidade do país a ter uma escola destinada a pessoas com autismo, quando inaugurou, em 1992, o atual Centro de Convivência e Educação Municipal do Autista “Maria Lúcia de Oliveira” (CEMA).

Na saúde, a rede de atenção psicossocial é composta por 27 Unidades Básicas de Saúde, além de um Centro Especializado de Reabilitação (CER), três Centros de Atenção Psicossocial infanto-juvenis (CAPS) e um ambulatório de neuropediatria. A Famerp também mantém um ambulatório de autismo.

Além de atender as deficiências motoras, o Centro Especializado de Reabilitação passa a atender casos de deficiências intelectuais e autismo. Já estamos recebendo as crianças encaminhadas pelas UBS”, finalizou a psiquiatra Simone Secco.

fonte: Fabrício Spatti  – Rio Preto Online